nas Redes Sociais

FAMBRAS HALAL 

Phone 55 (11) 5035-0820

Rua Tejupá - 192 - Jabaquara - SP - Brasil

Em Nome de Deus, O Misericordioso, O Misericordiador

Reconhecimento Global

FAMBRAS HALAL 

MEMBER

Site_Horuss

Fatwas sobre Álcool

Comitê Cientifico de Pesquisas – Islam Today.net

 

Em química, o álcool é um termo geral que é aplicado a qualquer composto orgânico no qual um grupo hidroxilo (-OH) está ligado a um átomo de carbono que, por sua vez, é ligado a outro átomo de hidrogênio e / ou átomos de carbono. Em química, o termo não se refere a bebidas intoxicantes, como é falado na forma coloquial. Existem numerosas substâncias químicas que são referidas como álcoois em química. Não existe legislação islâmica contra álcoois como um grupo químico. A lei islâmica proíbe intoxicantes, não álcoois. Não há nenhuma menção do termo "álcool" nos textos sagrados. Os textos sagrados se referem ao vinho e intoxicantes.

 

A substância intoxicante em vinho, cerveja e outras bebidas é conhecida como etanol. O etanol é o que se entende pelo termo "álcool" no discurso diário. Etanol é o que significa quando alguém diz "bebidas alcoólicas são ilegais no Islam".

 

O etanol é o álcool geralmente usado na culinária e na preparação de alimentos. A decisão sobre o uso de alimentos que contêm etanol entre os seus ingredientes depende da quantidade de álcool etílico que permanece no alimento. Por favor, consulte a seguinte fatwa neste arquivo para obter mais detalhes: "Alimentos que contenha o álcool, Intoxicantes ".

 

Há outros álcoois, especialmente álcoois gordos (pesados) e álcoois de açúcar, que são usadas como aditivos alimentares.

 

Por exemplo, lauril sulfato de sódio é derivado em um processo químico de outro produto químico conhecido como álcool láurico (dodecanol). É utilizado principalmente em sabões e detergentes, mas pode ser encontrado em alguns alimentos como um emulsificante. No entanto, o álcool de lauril e - o que é por vezes usado como um agente aromatizante - não é o álcool de bebidas intoxicantes. É derivado de ácidos graxos do óleo de coco. Alguns álcoois de açúcar, como sorbitol e xilitol são usados como adoçantes. Um álcool de açúcar comum usado como aditivo alimentar é glicerina. Nós não vemos nenhuma razão para que qualquer desses produtos químicos devem ser ilegais como aditivos alimentares, a menos que eles são provenientes de fontes ilegais, como glicerina (origem animal ou vegetal), por vezes pode ser considerado ilícito.

 

E Deus sabe melhor.

Fonte: http://en.islamtoday.net/node/648

 

 

Fatwa da Rastreabilidade do álcool nos alimentos e bebidas

Comitê do Departamento de Fatwa e Pesquisas – Presidido pelo Sheikh Abdul-Wahhab Al-Turayrî

(Ex-Professor da Universidade Al Imam em Riad na Arábia Saudita.)

 

OO Sheikh Salman Al-Oadah afirma o seguinte: O álcool é proibido porque embriaga. A porcentagem exata do álcool nos alimentos e bebidas não tem nenhum efeito na decisão. A decisão aplica-se ao alimento ou bebida se tomado como um todo e não a sua composição. De qualquer forma, essa pequena percentagem de álcool geralmente não tem qualquer efeito sobre uma pessoa que consome o produto.

O Profeta (Que a paz esteja com ele) disse: “"Se uma grande quantidade de qualquer bebida intoxica, em seguida, uma pequena quantidade do mesmo está proibida. Relatado por Ahmad e os 4 Imam, Ibn Hibbah colocou como Sahih (Verdadeiro) Sunan al-Tirmidhi (1865), Sunan Abi Dawud (3681), Sunan al-Nasa'i (5607), Sunan Ibn Majah (3392), e Musnad Ahmad (5648).

 

Enquanto a comida ou bebida em questão não intoxicar mesmo consumido em grandes quantidades, então não é proibido.

A única outra possível objeção que pode ser levantada contra um produto desse tipo é que o álcool é considerado uma substância impura de acordo com muitos estudiosos.

 

No entanto, é um princípio estabelecido na Lei Islâmica que quantidades mínimas de uma impureza que estão completamente submersas em substâncias puras não fazem essas substâncias puras em impuras. A quantidade de álcool em um produto desse tipo é geralmente tão pequena que chega a ser efetivamente inexistente, tanto quanto questões de purificação a qual estão em causa.

 

E Deus sabe o melhor.

Fonte: http://en.islamtoday.net/node/1082

 

 

Álcool em refrigerantes  

Fonte: INFAD, Universidade Islâmica Ciência da Malásia - 26 de setembro de 2004

 

Alguns refrigerantes contêm uma pequena quantidade de álcool que ajuda a adicionar sabores (aromas) que são consideradas parte do que é conhecido como os segredos comerciais. De acordo com as regras para alimentos e bebidas na lei legal islâmica, uma pequena quantidade de álcool que é adicionado não torna o alimento ou a bebida proibida.

 

Na tentativa de responder à sua pergunta,

nós gostaríamos de fornecer-lhe com uma Fatwa emitida pelo Conselho Fiqh da América do Norte, que é o seguinte:

 

É de conhecimento que alguns refrigerantes, tais como a Coca-Cola, a Pepsi-Cola, entre os seus ingredientes contêm uma pequena quantidade de álcool, que é utilizado para dissolver alguns componentes das bebidas, tais como cor, sabor, etc., Coca-Cola e Pepsi-Cola, por exemplo, contêm diferentes tipos de sabores, considerados como fazendo parte dos segredos comerciais; estes sabores ao se dissolver no álcool, não passa de duas ou três partes em mil (0,03-0,02%) nestas bebidas.

 

Tais refrigerantes são considerados admissíveis ou Halal, do ponto de vista islâmico, de acordo com as regras de alimentação e bebidas na lei islâmica.

Para reforçar este conceito básico, gostaríamos de dizer que, se uma pequena quantidade de uma substância X proibida é misturada com um Y substância admissível dominante a substância X perde todos os seus atributos, como o sabor, cor e cheiro, substância X perde as qualificações de ser impura e proibida por ter sido dissolvido em substância Y.

 

Esta conclusão é apoiada por uma decisão do Imam Ibn Taymmiah em seu livro Al-Fatawa (21/502), e pelas recomendações do Seminário Fiqh Ninth de Medicina da Organização Islâmica da ciência médica, que se reuniu em Ad-Dar Al-Bayda ' em Marrocos em Junho de 1997. Além disso, o Conselho de Alimentação e Nutrição Islâmica da América acrescenta:

 

Na indústria de alimentos, o álcool é o segundo solvente comum depois da água. Alguns dos sabores como baunilha, não pode ser feito sem álcool. Não se pode imaginar alimentos e bebidas como sorvete, bolos e biscoitos, refrigerantes, etc., sem o uso de álcool, na medida em que isso se tornou uma impureza inevitável nos sistemas alimentares. Países muçulmanos, que importam produtos alimentares, aceitam alimentos que contenham pequenas quantidades de álcool.

 

Nós estabelecemos dois níveis de pontos de controle para o álcool em alimentos e ingredientes:

 

1. Menos de 0,1 % nos itens alimentares.

 

2. Menos de 0,5 % em ingredientes alimentares

 

Em níveis superiores aos estabelecidos, o álcool nos alimentos não pode ser detectado pelo sabor, cheiro ou visivelmente, essas diretrizes são colocados para indústrias de alimentos que irão obter a certificação Halal para seus produtos. Portanto, ao traçar uma linha individual para o consumidor muçulmano, devemos nos basear no conhecimento disponível e para seu próprio compromisso religioso.

 

http://knowledge.hdcglobal.com/publisher/pid/b368dc7b-039b-4335-9df3-8c015cbb33af/container//contentId/b9b52e9d-421b-4d46-9896-0c98165d179f#sthash.w2

 

 

*Artigos reproduzidos na íntegra, segundo suas fontes, citadas aqui.

O que são Fatwas

Fatwa é um pronunciamento legal emitido por um especialista em Lei Islâmica (Sharia) sobre determinado assunto específico. Em geral, uma fatwa é emitida a pedido de um juiz para esclarecer uma questão na qual uma fiqh (jurisprudência islâmica) é pouco clara. Um acadêmico, por exemplo, pode ser ouvido para que seja emitida uma fatwa, porque ele pode ser uma autoridade no assunto.